Pelotas Política

Roleta de cores do Distanciamento Controlado em Pelotas: Vidas devem estar acima dos lucros

Fernanda Miranda
Escrito por Fernanda Miranda

Contrariando o aumento acelerado de casos de contaminação por COVD-19 na cidade, o número crescente de óbitos, as notas técnicas do Comitê de Combate ao Coronavírus da UFPel e do Hospital Escola, que se posicionaram contrários a qualquer tipo de flexibilização do isolamento social diante desse grave cenário, a Prefeitura de Pelotas flexibiliza atividades que atingem justamente os mais contaminados pelo vírus, os profissionais de saúde e os comerciários. 

Os números de leitos disponíveis, por sua vez, cada vez diminuem mais, tendo Pelotas gestão plena em saúde, atendendo toda a região do entorno. 

Faltam profissionais de saúde para atender a demanda que só cresce de pacientes Covid-19, aquelas e aqueles que atuam na linha de frente estão expostos aos riscos da doença, uma vez que faltam equipamentos de proteção adequados. Temos ainda a falta de testes para detecção da doença para estes profissionais, uma situação absurda para a qual a prefeitura não busca solução. 

A população enfrenta todo o tipo de obstáculos possíveis para a realização dos testes em caso de suspeita de Covid-19, há demora no atendimento, dificuldade no acesso a informações essenciais, demora na realização dos testes, incapacidade do sistema em realizar a investigação correta dos casos, uma vez que pessoas de convívio próximo a casos suspeitos e confirmados não são testados. 

Em meio à roleta de cores do distanciamento controlado, a prefeitura não tem nenhum planejamento estratégico para a devida conscientização da população pelotense em relação à gravidade da pandemia, medidas de proteção, onde buscar ajuda.  

Não há fiscalização suficiente e nem efetivo que atenda as denúncias feitas pela população acerca do descumprimento das medidas de proteção a que se referem os decretos do município.  

É neste cenário de aumento da curva de contaminação, registrando no dia de ontem (20) 611 casos e 13 mortes, que a Prefeita Paula Mascarenhas entende que é necessário desestressar a linha de contenção para atender a pressão dos grandes empresários que colocam o seu lucro acima das vidas de trabalhadoras e trabalhadores.

Sobre a autoria

Fernanda Miranda

Fernanda Miranda

Professora, mãe, estudante de Psicologia, moradora do Areal Fundos. Estou vereadora no primeiro mandato do PSOL - Partido Socialismo e Liberdade - em Pelotas.

Comente